Giuliano Metelski


giuliano.metelski@jornalcaicara.com.br
Colunas
A clínica deve manter a necessária distância do clichê. Ouvíamos que isto marca uma diferença do senso comum, lá atrás, de nossos professores, e depois, quando os testemunhos tornaram-se públicos, publicados, das pessoas que submeteram-se, por assim dizer, a um tratamento psicológico. O clichê, as frases prontas, o estereótipo, o cachimbo, o olhar compenetrado, todos os elementos que o psicólogo em formação imagina serem atributos, infelizmente, são vestidos posteriormente, e aquele discurso que o professor adota quando tenta ser imparcial em relação às verdades vindas à [...]
A suposição de duas realidades distintas é bastante cara. A psicologia resolveu-se como ciência quando articulou esse tal mundo interno, mesmo Freud acabou por reforçar esta tese. Nós estaríamos, então, situados entre duas realidades: uma externa, o mundo, e outra interna, nosso campo inobservável ao outro. A primeira consequência disso é que ao outro é negado, ou atribuído elementos pertencentes ao sujeito. Assim, por exemplo, a teoria sexual infantil que diz ao menino que todos os seres possuem um falo, ou que, outro exemplo, cabelo comprido é equivalente de mulher (num [...]
Wallon foi um psicólogo francês que se ocupou do desenvolvimento humano. Lá pelas tantas, em torno do oitavo mês, a criança, ele dizia, reconhece-se no espelho. Este estádio do espelho foi posteriormente apropriado por Lacan para trabalhar a formação do eu, e portanto, responder a uma teoria do narcisismo. Reconhecer-se ao espelho é um indicativo que a ciência utiliza quando pesquisa a consciência em animais: o elefante, os golfinhos, alguns macacos, gozam dessa qualidade. Hegel, antes dos psicólogos, dizia que a consciência só pode ser reconhecida quando houver efetivamente [...]

Carregando...