Giuliano Metelski


giuliano.metelski@jornalcaicara.com.br
Colunas
Grandes bosta é uma expressão cotidiana muito utilizada. Útil, diria um amante dela. Perde porém expressividade se mal comparada à eloquente vá cagar no mato, infelizmente em desuso. Onde há merda, há amor. O fato de haver tantos representantes do ofício leva a multidão ao delírio. Merda é vida. Pulsa. É massa de modelar. Discurso material. O desejo de falar merda só é comparável ao de fazer, mais comum nos homens, dizem as mulheres, que não cagam, dizem os homens, quando são muito bonitas. Não há merda no céu. O obsessivo, por exemplo, tem com a merda um caso, compara-se [...]
Vamos supor que o Estado de Direito tenha surgido como uma sofisticação humana e que seria em seu princípio uma resposta ao estado natural, onde hipoteticamente reinasse a barbárie, e portanto, a lei do mais forte. Este mito fundaria as razões pelas quais o Estado de Direito se faz necessário à ordem social: o contrato que garante o mínimo de regras capazes de mediar os conflitos, e portanto, buscar igualdade entre os mais fracos e mais fortes, pois nele, todos deveriam submeter-se às mesmas leis. Neste Estado, então, ao contrário do mítico estado de natureza, os conflitos e [...]
Há poucos anos eram comuns expressões que indicavam um inchaço do imaginário cuja referência à exposição e à autoimagem eram pontos essenciais naquilo que costumeiramente foram chamadas neuroses narcísicas, e que, consistiam fundamentalmente num gozo autista, apartado da crítica do outro, mesmo visando-o como inimigo, concorrente ou rival. É este tipo de neurose atual que tanto se fez presente na liquidez das relações e num tipo de discurso, entendido como o que faz laço social, que só foi ganhando formato grupal a partir das redes sociais e suas bolhas, donde resulta a [...]

Carregando...