Califasia

Califasia

19 de abril de 2019 // 0 Comments

Conversando com um colega muito estimado, a quem admiro e devo uma visita, detivemo-nos nas questões oratória e prosódia das palavras. Formado, como eu em Letras e, diferente de mim, em Direito, o Sr. Hélio é daquelas pessoas apaixonadas pela Literatura e pela Oratória. Ao entrar em seu escritório, diversos livros de Literatura se misturam a compêndios de Direito e pastas de contabilidade – todas organizadas com extremo cuidado e meticulosamente preenchidas à mão. Algumas décadas [...]

Suum Cuique Tribuere (Dar a cada um o que é seu)

5 de abril de 2019 // 0 Comments

Nos textos da áera jurídica é comum o uso de expressões em Latim, esta que na genealogia é mãe de línguas românicas como o Português. Raros são os usos do latim na atualidade. A língua mudou muito e continua seus processos de eterna mudança. Nas últimas décadas, a Ciência Linguística vem redefinindo a noção de “erro” no uso da língua, seja ela verbal ou escrita. A língua não é homogênea: ela sofre variações de todas as matizes, devido à região geográfica, [...]

Neologismo

22 de março de 2019 // 0 Comments

Beijo pouco, falo menos ainda. Mas invento palavras Que traduzem a ternura mais funda E mais cotidiana. Inventei, por exemplo, o verbo teadorar. Intransitivo: Teadoro, Teodora. BANDEIRA, M., Meus poemas preferidos, São Paulo: Ediouro, 2002. O título que dá nome a este poema dialoga com um fenômeno natural e constante da língua: o surgimento de novas palavras. No poema, o eu lírico faz um jogo com o título do poema, em cujos versos podemos reconstruir o sentido da palavra [...]

Do balacobaco, ou de como a língua é supimpa

22 de fevereiro de 2019 // 0 Comments

Houve um tempo em que as pequenas felicidades vinham revestidas de outros sabores, de outros sons e, especialmente, de outras palavras. Ao longe, no tempo e na geografia, o som do dolezeiro (ou picolezeiro, que vem rareando) é como um eco que ressoa nas memórias de infância: no tempo em que se comprava dolé de gelo saborizado e a mãe dava um safanão quando a insistêcia para ela comprar era muito grande. Safanão, sopapo, mas nunca tabefe. Era o tempo em que tomar biotônico era uma [...]

Brindemos, mas não às frases prontas

21 de dezembro de 2018 // 0 Comments

Dois mil e dezoito está às portas da despedida e ainda estamos perplexos e ressabiados como quem saiu de um tornado e tateia tonto o espaço. Melhor dizendo, o ciberespaço. Entre gregos e troianos, muita gente se machucou: alguns feridos, desavenças familiares, algumas (ciber)amizades desfeitas, decepções de primeira e segunda categoria. Nesse cenário turbulento de disputas, vimos a palavra elevada à sua máxima potência, servindo ao mesmo tempo de arena e de arma, por mais duvidosa a [...]

Mandar lembranças

30 de novembro de 2018 // 0 Comments

Das maneiras de mandar cumprimentos a uma pessoa que está distante, sempre achei mais poética e gentil a expressão “mande lembranças”. Embora até mesmo dicionários célebres registrem “cumprimentos” como um dos significados da palavra “lembranças”, parece-me que esse uso está rareando. Já não ouvimos com tanta frequência tal pedido nas despedidas de uma conversa. Que pena. Mandar lembranças é uma expressão plurissignificativa, que evoca muitos sentidos, porque [...]

Revista Jornal das Moças (28 fev 1952), encontrada em um sebo

23 de novembro de 2018 // 0 Comments

A foto mostra um teste para verificar se a mulher “possuía liberdade”. Ele foi colocado bem no vinco entre as duas páginas e, da palavra liberdade, o L desapareceu. Achei que estava escondidinho no vinco. Não está. Das 75 páginas da revista, apenas o teste foi diagramado nas beiradinhas internas, entre uma página e outra. O título não está em negrito, diferente dos demais textos. Antes do teste, a ressalva: “uma espôsa deve certas obediencias ao marido, chefe do lar [...]

Eu não sou preconceituoso, mas…

16 de novembro de 2018 // 0 Comments

Imagine a seguinte situação: você faz uma entrevista de emprego para uma vaga muito desejada. Um dia depois, a pessoa responsável pela seleção de pessoas liga para o seu celular e diz: – Boa tarde, é Fulano, da empresa Chamex. Você fez a entrevista para uma seleção de emprego. – Boa tarde, pois não. – Analisamos o seu currículo. Você tem um perfil muito adequado para a vaga, MAS… A frase não precisa nem ser terminada para sabermos que a resposta para a [...]
Carregando...