Primaverar é fazer o bolor virar flor

Primaverar é fazer o bolor virar flor

21 de setembro de 2018 // 0 Comments

“Eu já janeirei, feverei, até agostei com todos os ventos que eles trouxeram. Agora vou setembrar, de preferência primaverando, que é pra desabrochar o que plantei no restante dos meses.” No texto acima, atribuído a Ita Portugal, escritora e pedagoga maranhense, utiliza-se a licença poética para conjugar substantivos como se esses fossem verbos. Aproximando-se a primavera, que no hemisfério sul inicia-se este mês, queremos deixar para trás os ventos frios para nos esquentarmos no [...]

A ironia como vilã

14 de setembro de 2018 // 0 Comments

Escreveu bem meu colega Luisandro Mendes de Sousa em seu blogue que sentimos uma certa obrigação por ser “engraçadinhos” em nossos comentários na comunicação virtual. Coloque-se esse comportamento num período de eleições, acrescido de um forte embate político generalizado pelo país e mais uma boa dose da tendência do politicamente correto, e temos bombas prestes a explodir em toda a rede. É certo que minha participação (realmente ativa) em redes sociais como facebook e [...]

BMW e WO: Entre a lógica e a intuição

31 de agosto de 2018 // 0 Comments

Sabemos o que significam as siglas: são as abreviações de Bayerische Motoren Werke, a Fábrica de Motores da Baviera, e de Walkover, que é a atribuição de uma vitória quando o oponente (ou a equipe adversária) está impossibilitado de competir. Mas como fazemos a sua leitura? A importância da escolha dos exemplos está em suas origens estrangeiras, sendo a primeira do alemão e a segunda do inglês. Ambas são lidas letra a letra, e apresentam o W. Como deverá ser pronunciado este, [...]

Diminutivos

17 de agosto de 2018 // 0 Comments

É verdade que nós, brasileiros, usamos muito o diminutivo? O Professor José Lemos Monteiro acredita que sim, pois escreveu em seu livro “A Estilística” que “a frequência de diminutivos na fala de um povo se correlaciona com o seu grau de afetividade, a sua disposição emotiva. Daí, sem dúvida, a explicação para o excesso de diminutivos, tão constante entre portugueses e brasileiros”. Luís Fernando Veríssimo também disse que sempre achou que “ninguém batia o brasileiro [...]

APORTUGUESAMOS – Mas nem tudo

3 de agosto de 2018 // 0 Comments

“Mussarela” ou “Muçarela”? Mesmo que no cardápio da pizzaria se leia a palavra com “ss”, em português oficial ela é escrita com “ç”, portanto escreva “muçarela”. O senso de estranheza que a grafia causa acontece porque ainda não nos acostumamos com a forma aportuguesada, pois muitas vezes ainda vemos a palavra considerada estrangeira, com “ss”. Se fizermos uma busca no Google, veremos que a palavra “mussarela” aparece muito mais vezes que “muçarela”; mas [...]

Gramática machista!? Nem tanto ao céu…

20 de julho de 2018 // 0 Comments

Esta coluna chama-se Língua Viva porque sempre estou a chamar à atenção o fato de que nenhuma língua que esteja sendo utilizada é estática, mas acompanha as mudanças sociais e também as reflete. Com relação ao gênero dos substantivos não é diferente. Houve uma época em que não havia policiais ou bombeiros mulheres, por diversos fatores. Com a mudança dessa realidade veio também a mudança, gradativa, no uso dos termos, do inglês, preferindo-se a “policeman” e [...]

GRAMÁTICA MACHISTA?!? Nem tanto ao céu…

16 de julho de 2018 // 0 Comments

Esta coluna chama-se Língua Viva porque sempre estou a chamar à atenção o fato de que nenhuma língua que esteja sendo utilizada é estática, mas acompanha as mudanças sociais e também as reflete. Com relação ao gênero dos substantivos não é diferente. Houve uma época em que não havia policiais ou bombeiros mulheres, por diversos fatores. Com a mudança dessa realidade veio também a mudança, gradativa, no uso dos termos, do inglês, preferindo-se a “policeman” e [...]

“Irmana, o que vês?” “Nada. Apenas o sol que vermelheja e o céu que azuleja.”

6 de julho de 2018 // 0 Comments

O ditado cerâmico acima é uma passagem da história “As Mil e Uma Horas de Asterix”, o herói gaulês da série em quadrinhos criada na França por Albert Uderzo e René Goscinny. Nele vemos a referência feita entre o verbo “azulejar” e a cor azul do céu. Mas será que a palavra “azulejo” vem de “azul”? O estudo da etimologia, ou da origem e da evolução das palavras, é fascinante! Vejam o sucesso que fazem as obras do Professor Deonísio da Silva e o Guia dos Curiosos, de [...]

Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa: O que mudou?

23 de junho de 2018 // 0 Comments

Assinado em 1990 pelos países membros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), o Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa tem como objetivo a padronização da língua portuguesa na escrita.Os países que compõem a CPLP são: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, e Timor-Leste. Sendo a terceira língua ocidental mais falada, após o inglês e o espanhol, grafias diferentes do português acabam por atrapalhar sua [...]

Palavras bonitas, palavras feias

16 de junho de 2018 // 0 Comments

As coisas recebem seus nomes arbitrariamente, somos ensinados. É por isso que ninguém se importa que uma agenda não se chame “marcadeira”, ou que um carro não se chame “tomba”, por exemplo; não há lógica e não importa. Mesmo as onomatopeias, que seriam motivadas pelos sons que representam, são diferentes de língua para língua; todo mundo sabe que os cachorros latem “Au-au” em português, “Wau-wau” (pronuncia-se vau-vau) em alemão e “Woof” em inglês. Então por [...]
1 2 3 6
Carregando...