Nota de repúdio à relativização dos princípios éticos do Psicólogo

Nota de repúdio à relativização dos princípios éticos do Psicólogo

21 de setembro de 2018 // 0 Comments

O primeiro princípio fundamental do Código de Ética do Psicólogo é o seguinte: I. O psicólogo baseará o seu trabalho no respeito e na promoção da liberdade, da dignidade, da igualdade e da integridade do ser humano, apoiado nos valores que embasam a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Houve época em que ler, simplesmente, esta Declaração em público, a exemplo de Macalé, era um ato, com toda força política que essa palavra comporta. Hoje vejo com profunda tristeza [...]

“O desejo é sua interpretação”

14 de setembro de 2018 // 0 Comments

No seminário 7 Lacan afirma que a psicanálise é uma ética. Não seria ela uma lógica? E mais, uma lógica na qual a falha da lógica seja sua matéria? Não é impensável que seja possível partir de alguns pontos que convergiriam para isso. São inúmeras as enunciações pelas quais tanto Freud como Lacan procuram formalizar o inconsciente. “O desejo é sua interpretação” por exemplo, pode abrir uma ampla discussão acerca de seu alcance. Que nisso, o que realce seja justamente a [...]

“O desejo é sua interpretação”

6 de setembro de 2018 // 0 Comments

No seminário 7 Lacan afirma que a psicanálise é uma ética. Não seria ela uma lógica? E mais, uma lógica na qual a falha da lógica seja sua matéria? Não é impensável que seja possível partir de alguns pontos que convergiriam para isso. São inúmeras as enunciações pelas quais tanto Freud como Lacan procuram formalizar o inconsciente. “O desejo é sua interpretação” por exemplo, pode abrir uma ampla discussão acerca de seu alcance. Que nisso, o que realce seja justamente a [...]

A substância gozante

31 de agosto de 2018 // 0 Comments

Descartes propõe duas substâncias: res cogitans e res extensa. Assim como Aristóteles nos soa intuitivo, algo que parece que sabemos sem nunca o ter lido, é difícil pensar fora destas categorias que nos foram transmitidas, indiretamente ou não, pois elas alicerçam os saberes dos mais diversos campos. As duas substâncias cartesianas distinguem-se de modo análogo ao entendimento relativo à alma e ao corpo: uma é pensante enquanto a outra é sua extensão, espacial se poderia dizer. [...]

O problema da consciência

3 de agosto de 2018 // 0 Comments

O discurso científico visa a natureza, mas ignora completamente que a natureza é efeito do significante, isto é, que seu objeto não é outro, senão o real significantizado. A isto decorre que, se existir um inconsciente coletivo, que não caiba no termo linguagem, mais precisamente à produção cultural histórica, ele é por definição inanalisável, posto que não há pergunta sem resposta. Bem entendido, não há modo algum de simbolização do real senão através de um sujeito, [...]

I – Os algoritmos

6 de julho de 2018 // 0 Comments

Tendo a linguagem chegado ao ápice da exatidão por meio dos algoritmos não havia mais lugar para o erro. Assim o teatro logrou êxito com o espetáculo do equívoco onde os atores tentavam de todas as formas errar. A primeira estratégia foi marcar a apresentação para sábado e só aparecer domingo. Quem foi enganado não voltaria. Mas havia os insistentes. Logo o público compreendeu que a última hora em que a peça ocorreria seria na anunciada, de modo que era preciso ficar vigilante. [...]

(anti)Antilógica

16 de junho de 2018 // 0 Comments

Tomei de Freud o lucro secundário da doença no ônus obtido pela fé para designar uma operação cujo resultado previsível só pode recair no prejuízo e que ainda assim é praticada, mas repare, não pela via do prazer, pelo contrário, pela categoria do gozo, cuja crença precipita um desejo projetado no outro, que é seu objeto de sadismo. São delírios de massa e são constituídos de paixões intensas. Ainda que sejam apresentados vários elementos contraditórios, a persistência da [...]

A tara da farda

31 de maio de 2018 // 0 Comments

Se é verdade que a demanda revela algo do desejo podemos reconstruir do imaginário popular seu objeto: ele veste farda e espanca alguém. Aqui as pulsões sadomasoquistas abrem duas possibilidades, embora sejam como superfícies topológicas de um lado só. A pulsão sádica pode se satisfazer assistindo a um espancamento, enquanto a masoquista goza sendo o objeto da agressão. Só que na dialética do desejo opera a fantasia, embaralhando as coisas, de modo justamente a não permitir, de [...]

Real____ Linguagem

25 de maio de 2018 // 0 Comments

A linguagem não constitui somente uma ferramenta pela qual construímos operações, capazes de reversão, em alguns casos. Ela estrutura a realidade (não o real) de modo que todas as categorias, do cardinal ao ordinal, da nomeação ao reconhecimento, são perpassadas pela imagem e pela nomeação. Ela oferece à comunicação a comunidade, e encontramos a mais antiga raiz disso na função totêmica cujo símbolo representa a unificação de um grupo. Mas nada é tudo. Há quem defenda que [...]

A merda e o aparelho psíquico

11 de maio de 2018 // 0 Comments

Grandes bosta é uma expressão cotidiana muito utilizada. Útil, diria um amante dela. Perde porém expressividade se mal comparada à eloquente vá cagar no mato, infelizmente em desuso. Onde há merda, há amor. O fato de haver tantos representantes do ofício leva a multidão ao delírio. Merda é vida. Pulsa. É massa de modelar. Discurso material. O desejo de falar merda só é comparável ao de fazer, mais comum nos homens, dizem as mulheres, que não cagam, dizem os homens, quando são [...]
1 2 3 12
Carregando...