Não existe botão mágico

Você se lembra em quais candidatos a deputado estadual e federal votou nas últimas eleições? Será que eles foram eleitos?
A maioria dos brasileiros aperta o botão da urna e depois esquece.

Ao mesmo tempo, fica com a impressão de que apertou um botão mágico, que faz com o que o representante escolhido faça automaticamente as melhores decisões pelo bem de todos.

Isso é tão falso que hoje 96% de nós brasileiros não nos sentimos representados pelos políticos no poder. E apenas 6% aprovam o governo do atual presidente da República. Em uma sala com 10 pessoas, essa porcentagem não representaria nem 1 pessoa inteira.

Se você é da turma que anulou o voto, pior ainda. Se 99% da população anular o voto, ainda vai ganhar a eleição quem tiver a maioria dos votos válidos dentro do 1% de eleitorado presente. Quem anula, dá para quem vota o direito de escolher. É a terceirização da responsabilidade.

Sete de outubro está cada vez mais próximo. Que tal pensar com calma em quem vai votar? E como pretende acompanhar o trabalho desse cidadão por você escolhido, nos próximos 4 anos?

Pois bem, nós somos uma sociedade da era Google. Somos 116 milhões de brasileiros conectados à internet, segundo o IBGE. Por isso, é fundamental usar a tecnologia para nos ajudar também a participar da política.

Estão surgindo iniciativas promissoras como o aplicativo Tem Meu Voto, que ajuda o eleitor a encontrar o candidato ou a candidata a deputado estadual, deputado federal e senador com quem mais se identifica. É uma plataforma fácil, rápida e confiável. As informações são oficiais, logo obtidas do Tribunal Superior Eleitoral.
No Tem Meu Voto, o eleitor responde até 7 perguntas e, com base em suas respostas, terá acesso a uma lista dos candidatos alinhados com sua visão de mundo. O objetivo é oferecer a chance de fazer uma leitura final nos dados de cada um e escolher com mais segurança o candidato que melhor o representa. Quanto mais cidadãos engajados e atentos em como nosso dinheiro está sendo aplicado, menores as chances de casos de corrupção e desvio de recursos. Vai dar até para escolher se o candidato pode ou não ter processos na Justiça.
Há também o Vote Nelas, um site que promove a candidatura de mulheres de todo país. Nele, você pode conhecer candidatas comprometidas com a meta de que 50% do Congresso Nacional seja feminino.
São exemplos concretos de como podemos usar a tecnologia para participar da política no Brasil. Não como espectadores, mas como seres políticos que fazem escolhas conscientes.

Mas vale lembrar que, neste ano, não elegeremos um computador para presidente, mas sim um político. Não elegeremos uma “App Store”, mas um Congresso. Não votaremos em uma marca de smartphone, mas em um partido.

Os representantes públicos escolhidos terão um árduo trabalho adiante. Não vai ser o botão da urna eletrônica que fará um passe de mágica para que a situação do Brasil melhore.
Por isso, a necessidade de lembrar, quando fizer a sua escolha, que o seu representante no Congresso Nacional, na Assembléia Estadual e no Senado deve ter compromisso com uma agenda conectada com a realidade cotidiana, com o fim dos privilégios da classe política e saber do potencial do uso de governo digital para melhorar os serviços públicos.
E que você acompanhe o trabalho de quem escolher, nos próximos 4 anos. Quanto mais cidadãos engajados e atentos em como nosso dinheiro está sendo aplicado, menores as chances de corrupção e desvio de recursos.

 

Leave a comment

Your email address will not be published.


*


Carregando...