O indisfarçado autoritarismo moral dos psicólogos

A psicologia se define por diversas abordagens, não é um campo unificado. Sua prática, no entanto, é alicerçada por princípios estabelecidos num código de ética e na declaração universal dos direitos humanos. Eles tem sido relativizados por profissionais, porque eles passaram a apoiar uma candidatura que afirma que estes princípios privilegiam vagabundos. Já faz bom tempo, desde a abertura do canil em 2014, que a tolerância à intolerância só cresce, e o campo argumentativo é inválido, mesmo quando utilizado em favor da discussão teórica, que quase não ocorre mais, dando lugar à paixão, à identificação ao líder e à obediência às suas palavras e atos. Quando isto ocorre, todo o trabalho deste profissional é colocado em xeque: os princípios que orientam a todos nós, e que são relativizados por ele, são substituídos por outros, que não conhecemos. É notório que grande parte desta adesão é feita por seguidores da mais cristã das abordagens psicológicas, a junguiana, talvez isto releve justamente que aqui também eles são movidos por uma fé, fé que os escolheu, ainda que não possam dizer nada a respeito. Não há dúvida de que a identificação ao autoritarismo, justificada pelo ódio ao oponente, seja um apego ao seu irrealizado destino, que se materializa agora, desvelando estes desejos sádicos, sadismo que sempre se ocultou no bom mocismo típico do cristão de fachada. Isto não é diferente entre aqueles que não precisam conhecer nada sobre as teorias psicológicas: a boa intenção do cidadão de bem e a moral sempre foram as molas no combate à barbárie, atribuída ao inimigo, imaginário ou não. Não há argumentos, infelizmente. O aparato que eles desejam ver funcionando contra aquilo que define seu inimigo, qual seja, será necessário logo logo, e ao inimigo, e não parece haver outra maneira de conter esta pulsão senão pela força. As trevas estão à nossa frente e eles ordenam que você pule, confiando tão somente no ódio, no medo, apostando tudo, sem ter a mínima ideia de onde isto vai dar. Isto os tutela, e eles precisam disso para exercer seu papel, papel sem lugar em um regime livre.

Psicólogo clínico, especialista em Teoria Psicanalítica e em Neuropsicologia. Atende em Caçador e União da Vitória. giuliano.metelski@gmail.com – WhatsApp: (49) 99825-4100 / (42) 99967-1557.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*


Carregando...