Protesto contra caminhos que ceifam vidas

Houve um tempo em que era possível deslocar-se por largas porções do território brasileiro sem sentir medo. Em que nossos pais e avós podiam assumir o compromisso de uma viagem com a certeza de chegar sãos e salvos no destino final, sem precisar temer nem por um minuto por sua integridade física. Em que as despedidas eram sentidas e chorosas apenas devido a nosso temperamento latino sabidamente emocional, pois se aqueles que se despediam sabiam que era possível que nunca mais voltassem a se ver (afinal a vida é assim, estamos sempre sujeitos a “um escorregão idiota em um dia de Sol, a cabeça no meio fio”, como diz a conhecida canção de Raul Seixas) também tinham plena confiança de que o meio de transporte que o viajante utilizaria era plenamente seguro, dificilmente colocando seus passageiros em dificuldade. Bons tempos em que os trinta ou quarenta quilômetros por hora de deslocamento (muito pouco para os dias atuais, mas uma verdadeira conquista tecnológica na época de sua implementação) permitiam uma viagem rápida (de novo, para os padrões da época) e tranquila, deixando àqueles que precisavam ir de uma cidade a outra a única preocupação de pensar nos compromissos marcados no destino, e o que mais quisessem. Tempos idos que, comparados aos atuais, deixam cada vez maior saudade. Os quais, a cada vez que penso neles, me deixam com o desejo incontido de querer que voltem a ser o presente. Porque meu sentimento é de retrocesso. De absurdo. De revolta. Simplesmente não é possível continuar como está. Simplesmente não dá para entender como nossa sociedade aceita passivamente a carnificina da qual é vítima diariamente, sem que uma só voz se levante em protesto. E, a continuarem as políticas públicas na direção em que estão, não é possível assimilar que continuaremos convivendo com este estado de coisas ainda por décadas aparentemente sem fim.
Sim, o estimado leitor provavelmente já percebeu que estou me referindo aos transportes de nosso país, especificamente de nossas atuais rodovias em comparação com as ferrovias tão importantes em anos não tão recuados, mas completamente abandonadas na atualidade. Nesta semana, toda a equipe do campus União da Vitória do Instituto Federal do Paraná ficou sobressaltada com uma notícia revoltantemente banal, repetitiva, normal, mas que estranhamente todos acreditam que nunca ouvirão. Dois de nossos colegas professores sofreram um sério acidente automobilístico em uma das obscenas estradas catarinenses (mas que, bem sei, não possuem contrapartes muito melhores também no Paraná), enquanto voltavam de um fim de semana com a família. Em um dado momento da viagem, um caminhão surge sabe-se lá de onde e entra na pista sem sinalizar, deixando à motorista pouca escolha para além de buscar minimizar os danos da inevitável pancada. Como resultado da situação inconcebível para mentes sadias, restou um carro completamente destruído, um professor salvo pelo cinto de segurança e pela perícia da amiga, e uma professora bastante ferida – felizmente sem gravidade. As fotos do que restou do carro comprovam que, se não houve maiores prejuízos, trata-se isso de algo que não poucas pessoas definiriam como um milagre. O condutor do caminhão fugiu do local. Sim, o veículo dele conseguiu se locomover o suficiente para que a covardia mais vil se fizesse notar mediante uma fuga sem a prestação dos devidos socorros. Porque também em nossas estradas a impunidade que tão bem conhecemos reina quase absoluta.
É possível, nestas verdadeiras terras-de-ninguém constituídas por nossos precários caminhos de asfalto, provocar uma colisão de largas proporções e sair ileso, sem que ninguém sequer saiba quem esteve envolvido na ocorrência. Porque à criminosa falta de manutenção de nossas rodovias junta-se a não menos repulsiva ausência de fiscalização. De que adianta colocar placas com limites de velocidade se ninguém as respeita e ninguém as faz respeitar? A situação é, francamente, caótica. Plenamente justificadora do fato de que morrem e ferem-se mais pessoas no simples ato de deslocar-se, no Brasil, do que nas sangrentas guerras da Síria. São milhares de vidas interrompidas subitamente por ano, sem que nada seja feito para impedir. Àqueles que viajam resta apenas fazer a sua parte, e esperar impotente que os demais façam o mesmo. Que um buraco capaz de facilmente empenar uma roda, entortar um eixo ou rasgar um pneu não apareça na frente de seu veículo. Àqueles que esperam resta apenas e tão somente isso: esperar. E, se tiver alguma crença, rezar.
A situação toda se torna cada vez mais revoltante à medida em que percebemos que ela não é, de modo algum, inevitável. Muito longe disso. Trata-se, na verdade, de uma opção consciente, realizada e reiterada por governantes que sequer sabem o significado da palavra “estadista”. Que tratam apenas de sua própria reeleição, de seus próprios interesses. E que apenas se lembram do campo de guerra formado por nossas estradas quando se dispõem a, cinicamente, lamentar alguma nova e absolutamente previsível tragédia nos canais de televisão e nas páginas dos jornais. Há não muito tempo esta situação não existia. Era possível viajar para quase todas as principais localidades do país de trem, valendo-se de todas as vantagens oferecidas pela vanguarda tecnológica do momento. Aqueles que queriam conforto e podiam pagar por ele, tinham à sua disposição as luxuosas primeiras-classes, os famosos “trens de prata”. Aqueles com menos posses podiam viajar nos vagões de terceira classe, menos confortáveis mas muito mais seguros que qualquer dos apertados e não muito mais ágeis ônibus disponíveis nas estradas da atualidade. As ferrovias representavam meios de transporte realmente muito democráticos (no que as rodovias atuais, ao matar e ferir cotidianamente pessoas de todas as idades e classes sociais não ficam muito atrás, é preciso convir). E, enquanto meio de transporte de cargas, eram uma opção muito mais barata e confiável que os caminhões que, se hoje em dia representam o meio de sustento de milhares de famílias, também provocam prejuízos com um transporte lento, dotado de pouca capacidade de tonelagem, e responsável pelos sérios estragos produzidos no asfalto não raro de baixa qualidade utilizado nas estradas de todo o país.
Claro que, quando lamento profundamente a obrigatoriedade de utilizar as péssimas rodovias que servem às nossas cidades para me deslocar para Curitiba ou para São Paulo (afinal não temos aeroporto e, mesmo que tivéssemos, eu dificilmente conseguiria pagar pelo valor das numerosas passagens que seriam necessárias dadas as minhas frequentes viagens), não estou desejando do fundo da minha alma que voltemos a nos transportar fazendo uso das locomotivas a diesel ou a vapor que marcaram tantas gerações de brasileiros. Seria o mesmo que desejar viajar em um carro fabricado entre os anos de 1900 e 1950, se o sentimento fosse contrário. Mas eu desejo, sim, que as ferrovias voltem a ser uma opção de transporte viável. Que pessoas realmente dignas de dirigir um país das dimensões do nosso consigam chegar e se manter no governo, e que possam entender que, se uma ferrovia é realmente bem cara para construir, é muito mais barata para manter. Que a vida de milhares de brasileiros assassinados por uma opção política míope, realizada inicialmente por Juscelino Kubitschek e confirmada por anos a fio pelos governos militares (sim, os mesmos militares que alguns – felizmente muito poucos – tem a coragem de pedir que voltem ao poder em pleno 2016) não têm preço, e devem ser protegidas por aqueles que receberam seus votos. Que o escoamento da produção nacional em direção aos mercados consumidores internos e externos pode ser muito mais barata e logisticamente mais simples, tornando nosso país competitivo na arena internacional e incentivando o aumento desta mesma produção. Que hoje existem tecnologias extremamente avançadas que permitem o transporte de passageiros a velocidades muito maiores que as hoje oferecidas pelos mais modernos automóveis com risco quase zero (preciso lembrar dos trens-bala japoneses que tem como velocidade média incríveis trezentos quilômetros por hora?), e de enormes quantidades de carga com uma praticidade simplesmente impensável para qualquer rodovia hoje existente no Brasil ou no mundo. Que a matriz de nosso transporte precisa ser planejada para atender apenas aos interesses da nação brasileira, e não de montadoras estrangeiras quaisquer que sejam. Desejo, em suma, que no que tange a este quesito nosso país possa ser gerido tendo por base princípios verdadeiramente racionais. E que, no caso de não sê-lo, que muitos mais milagres como os que salvaram nossos queridos colegas professores sejam repetidos em cada estrada por todo o nosso país, para que mais nenhuma família precise sofrer a perda de ninguém por um motivo tão revoltantemente bizarro.
Acontece que, neste caso como em outros, o que eu desejo dificilmente se realizará. Me resta, portanto, escrever, o que faço semanalmente neste espaço. E torcer para que, no caso de meus estimados leitores concordarem com meus argumentos, ajudem a construir um país melhor para nossos filhos e netos. Até a próxima!

Leave a comment

Your email address will not be published.


*


male-enhancement-pills   penis-enlargement-medicine   best-penis-enlargement-pills   male-enhancement-pills-that-work   penis-pills   best-erection-pills   penis-enlarger   penis-enlargment   best-sex-drugs   evermax-pill   penis-enlargements   hard-on-pills-that-work   enhanced-male-pills   male enhancement   penis extender   best male enhancement pills   penis enlargement medicine   best male enhancement   penis stretcher   penis enlargement pills   extenze reviews   penis extenders   sex pills   how to produce more sperm   extenze review   extenze male enhancement   male enhancement pills that work   bathmate results   male enlargement pills   male extra   extenze pills   how to increase semen volume   increase sperm volume   penis pills   volume pills   male enhancement pills that work fast   increase semen volume   bathmate before and after   best penis enlargement pills   male enhancement pill   penis enhancement   penis pump before and after   how to increase sperm volume   best budget penis pumps   enhanced male   best erection pills   bathmate review   best penis pumps   penis traction   how to produce more cum   male enhancement products   3 ways to increase seminal fluid   male enhancement pills over the counter   penis pump results   increase ejaculate   best sex pills   male enhancement reviews   how to produce more semen   dick pills   sex pills for men   penis enlargement pill   how to increase ejaculate volume   how to increase ejaculate   extenze side effects   huge ejaculation   penis enlargement pump   water penis pump   male enhancement supplements   do penis enlargement pills work   increase semen   bath mate   penis pump reviews   penis growth pills   best male enhancement pill   bathmate routine   size genetics   male supplements   male enlargement   male extra reviews   the best male enhancement pills over the counter   how fast does extenze work   how to ejaculate more   extenze results   penile extender   bathmate x30   max performer   best penis extender   bathmate reviews   semen volume   extenze extended release   penis pumps   dick enlargement   how long does it take for extenze to work   dick pumps   penile traction   big loads   best male enhancement pills that work   increase sperm volume pills   extenze pill   best male enlargement pills   male sex pills   penis strecher   home made penis pump   dick extender   cum pills   natural ways to increase seminal fluid   best penis enlargement   penis pump before after   penile traction device   best over the counter male enhancement   over the counter male enhancement pills   male extra review   vigrx plus review   does bathmate work   extenze directions   best penis   penis enlargement pills that work   volume pill   sex pill   male enhancer   increase cum   extenze ingredients   semen volumizer   increase semen production   do male enhancement pills work   enhancement pills   vigrx pills   penis enlargment pills   stamina pills   are penis pumps safe   cock pumps   darren jackson   best natural male enhancement   penis stretchers   best penis enlargement medicine   male enhancement drugs   how to increase sperm thickness   where to buy vigrx plus   best sex pills over the counter   sexual enhancement pills   increase ejaculation   increase cum volume   sexual enhancement   penis enhancers   hard on pills that work   enhancement male pill   extenze ingridients   extenze befor and after   malextra pills   extenz results   penis enlargements pumps   extenze ingredience   male enhancement pills   penis enlargement medicines   volumepills review   penis extender result   extenze ingredient   penis pump review   how to increase ejaculation volume   cock extenders   penis enlargement devices   vigrex tablets   how to increase semen amount   male performance pills   bathmate hydro   how to increase cum load   penis extenders reviews   best male enhancers   how to increase semen production   how to produce more seminal fluid   bathmate x40   male drive max   increase cum load   bathmate before after   volume increaser   produce more sperm   best male enhancement pills over the counter   max load pills   volume pills review   natural male enhancement herbs   delay pills for men last longer   cock stretcher   enhanced male pil   male enhancement pills free trials   penispumps   penis enlargement device   male sexual enhancement   extend pills   sex enhancement pills   all natural male enhancement   long sex pill   best male supplement   extenze maximum strength   do penis pills work   produce more semen   how to produce more seminal fluid naturally   increasing semen volume   penis extenders review   how to increase semen   best male enhancement pills 2019   male enhancement pills reviews   increase ejaculate volume   bathmate hydro pump   increase seminal fluid   natural male enhancement pills   hydro penis pump   vigrx reviews   do penis extenders work   over the counter male enhancement   male enhancements   top male enhancement pills   penis traction device   bathmate pump  

Carregando...