Renê Augusto, meu tio, meu pai, meu amigo

Dia 26 de fevereiro de 2010, aniversário de meu estimado tio René, escrevi essa crônica em sua homenagem.
Essa crônica foi lida de forma emocionada, por minha filha Nina Rosa, no lançamento de meu livro Meus Caros Amigos, no dia 7 de junho deste ano, no Clube 25 de Julho. A leitura de Nina Rosa emocionou a todos naquela noite e agora eu a republico, uma vez que neste domingo, 10 de agosto, se completa um ano do falecimento de meu querido tio René.
Dia desses, aqui mesmo, em outra crônica, escrevi que uma das primeiras palavras que aprendi a escrever, antes mesmo de entrar na escola, foi Fluminense. Também disse que quem me ensinou a escrever foi minha mãe, tias Lulu e Dina e meu tio René, de quem herdei a paixão pelo Fluminense. Aprendi a escrever em letra de forma, hábito que carrego até hoje, embora, atualmente, pouco escreva em papel. Primeiro porque enxergo muito pouco e segundo porque no computador posso escurecer ao máximo a tela, o que atenua minha fotofobia, sendo que ainda posso aumentar as letras.
Mas o que queria dizer é que escrevia a palavra Fluminense e gostava de mostrá-la ao tio René quando ele chegava de seu trabalho no fim da tarde. Seguimos torcendo pelo Flu e aos domingos – uma vez que a televisão ainda estava na era do vídeo-tape e não transmitia jogos ao vivo -, ouvíamos os jogos pelo rádio. Ouvíamos ora pela Rádio Globo, cujos narradores eram Jorge Cury e Valdir Amaral, que se revezavam, um em cada tempo, ora pela Rádio Tupi, com Doalcei Bueno de Camargo. Depois dos jogos, que acabavam sempre por volta das 7 da noite, íamos à cozinha fazer um sanduíche com a maionese do almoço e linguiça crua. O sanduíche era fantástico e hoje ainda o faço vez por outra. A memória do paladar nos remete a remotos e inesquecíveis tempos.
Ao ouvir jogos de futebol e, principalmente, ainda muito criança ouvir as indeléveis batucadas que tio René organizava na varanda de nossa casa – também na mítica Barão do Cerro Azul, mas, uma quadra abaixo da casa onde cresci e meus familiares moram desde meados dos anos 60 -, começava a me achar um homenzinho e não mais uma criança. Fato que se consolidou em meu imaginário infantil, em uma festa na casa dos pais de nosso Leocádio José Vieira, na rua 1º de Maio. As casas antigas possuíam apenas um banheiro e como lá havia um grande número de homens, o mesmo era muito disputado. Por sorte o quintal da casa era enorme e lá pelas tantas, depois de algumas, ou melhor, muitas cervejas, tomadas por eles, a cerca dos fundos passou a ser usada como mictório. Depois de uma meia dúzia de colinhas, também quis ir ao banheiro, que estava ocupado. Não podendo mais esperar, lá fui eu para a cerca ao lado de mais alguns. Senti-me um adulto completo. Pobre Dona Leandrina que, certamente, teve que jogar muita água e desinfetante em seu quintal, comprometido por uma trupe politicamente incorreta.
Na medida em que fui, efetivamente, deixando a infância e ingressando na pré-adolescência, aprontei algumas artes, entre as quais destelhar o galpão de uma casa que ficava no fundo de nosso campo de futebol e cujas bolas eram confiscadas pelo proprietário do terreno. Certo dia ele saiu e não pensamos duas vezes: vamos recuperar o que é nosso. Como disse, tiramos algumas telhas do tal galpão e pegamos nossas bolas, apenas elas, tendo ainda o trabalho de recolocar as telhas. O fato aconteceu em plena tarde, mas um vizinho chamou a polícia que nos encontrou em meio a uma partida de futebol em nosso campo. Vimos a velha rural parar em frente ao campo e já deduzimos que a coisa iria ficar preta. Alguns conseguiram fugir, outros não. Como eu morava quase em frente ao campo, fui um dos que escapou, mas já no jardim de minha casa, decidi voltar e não deixar sozinhos aqueles que não conseguiram fugir, os irmãos Paulo e Zinho Murara e Nelson Martins. Quando estava voltando, pedi a outro menino, Gilmar Preiszler, o Gima, que fosse até a Delegacia da Fazenda e avisasse meu tio do acontecido. Tranquilizei meus amigos e disse que logo sairíamos da cadeia, uma vez que tio René era amigo do delegado e que as bolas eram nossas, portanto quem tinha que ser preso não éramos nós, mas o dono do terreno que já havia retirado uma tela de alambrado, que colocamos em cima da cerca divisória para impedir que as bolas caíssem em seu terreno. Arrancou nossa tela e teve a pachorra de usá-la para construir um viveiro. Resumo da ópera, que pra nós não foi trágica, mas bufa, fomos, rapidamente, liberados pelo delegado que era mesmo amigo do tio René. De quebra, saímos ainda com as bolas. Só não recuperamos a tela, reavida mais tarde por outras vias. Com uns 15 anos de idade percebi que muito mais que um tio, René era um pouco meu pai, e um grande amigo.
Juntos tomamos muitas cervejas, acompanhadas de muitos bolinhos de carne, rolmops e outras iguarias botecárias, acompanhados em determinados momentos, de outra grande figura, Lamartine Augusto, meu outro tio, que nos deixou em 1997, e era excelente companhia (só tinha um defeito, era flamenguista). Nos últimos anos em que fomos assíduos frequentadores da vida de boteco, Leocádio Vieira, o popular Cadinho, que menciono anteriormente, também era companhia indispensável. Muitas histórias do mundo da política, dos esportes, da música, temperavam nossas incursões aos mais célebres botecos da cidade, como Bar do Lucas, Bar do Manduca, Zézito, Bar Coroa entre outros e onde cruzávamos com pitorescos personagens, os quais acabariam protagonizando inspirados artigos da coluna Em Primeira Mão, assinada por nosso René.
De pena muitas vezes ferina, René colheu algumas inimizades, quase todas por divergências ideológicas, que o tempo amainou. Muitos dos então detratores acabaram sendo seus amigos. Mas muito mais que divergências, ele amealhou grande número de admiradores, entre os quais me incluo e me orgulho de tê-lo como um de meus mais Caros Amigos. Vida longa.
Tio René viveria mais três anos, cinco meses e quatorze dias. Eu e minha mulher Margarete o visitamos no hospital, domingo, 4 de agosto e na segunda-feira, 5, quando conversamos sobre nosso Fluminense, sobre algumas pessoas que também estavam na UTI, sobre sua neta Valentina que está por vir e ele também disse que seus exames estavam normais e que ele estava prestes a receber alta. Isso não ocorreu, ele estava bastante debilitado e seu estado se agravou na manhã de sábado. Parece ter esperado a visita dos familiares para se despedir. Foram vê-lo o genro Giovani e o neto Vinicius, que ao chegar começou a conversar com ele, e, ele embora sedado e em coma induzido, pareceu ouvir, já que sua pulsação aumentou de cinquenta e poucos para mais de 90 e sua pressão arterial caiu para 4 por 2, depois 4 por 0, o que resultou em uma parada cardíaca.
Como disse nas informações que forneci ao vereador Daniel Rocha, enfocado em sua derradeira coluna, em 12 de julho, juntamente, com minha filha Nina Rosa e com o ex-prefeito Alcides Fernandes Luiz, René embora sempre abordasse os mais variados temas, direcionou seu olhar para a reportagem policial, sempre preocupado com as injustiças e com a impunidade.
Sua postura de um jornalismo de denúncias, fez com que colhesse muitos admiradores e muitos amigos, assim como alguns detratores que sempre estiveram à margem da lei e que, muitas vezes, por serem os poderosos de plantão e envergarem colarinhos brancos, por ela nem sempre eram alcançados.
Sua morte deixa uma lacuna no jornalismo local e um imenso vazio em nós, seus familiares, e em seus amigos, mas deixa sobretudo um exemplo a ser seguido, de um homem honesto, de um jornalista sem medo, que jamais se intimidou mediante as mais diversas pressões e ameaças. Deixa o exemplo e a lembrança de um pai, marido, irmão carinhoso, generoso e que amou os seus sem restrições.
Tio René, meu companheiro de jornada diária, que comigo esteve nos momentos bons e nos difíceis, tenho a convicção de que ontem não lhe dei adeus, mas sim, um até breve.
Termino dizendo que sua morte nos deixou uma imensa sensação de vacuidade e uma enorme saudade, mas também nos deixou preciosos ensinamentos, como companheirismo, generosidade e coragem, que nos estimulam não mapenmas como cronistas e jornalistas, mas nos fazem sermos seres humanos melhores.

Leave a comment

Your email address will not be published.


*


Carregando...